Treinamento de base na corrida

Por Lucas Salia e Jonathan da Silva

Inicio de ano… As festas passaram e é hora de começar a pegar firme nos treinos e definir objetivos e provas para planejar toda a periodização. Na maioria dos casos, entramos neste início de ano na Base ou Preparação Geral, fundamental para equilibrar e preparar o corpo para os desafios que vêm pela frente. O foco deste período é melhorar a força e resistência muscular e capacidade aeróbia, proporcionando a preparação do atleta para os treinos mais intensos do próximo período, diminuindo o risco de lesões.

O número de semanas desta fase pode variar dependendo do condicionamento físico, metas e provas escolhidas ao longo do ano. Mas algumas características destes treinos são bem marcantes:

  • Aumento progressivo do volume de treino

Não queira sair correndo um volume alto semanal, comece aumentando gradativamente, opte o uso de treinos regenerativos na semana para proporcionar este aumento gradual

  • Baixa a média intensidade

Neste período os treinos acontecem nas zonas 2 e 3 de treino, pensando na percepção subjetiva de esforço, os treinos não passarão de levemente cansativo

  • Treinos contínuoscorrida montanha

Opte por treinos mais rodados e por mais vezes na semana, quatro, até cinco vezes com baixa intensidade

  • Treinos Fartlek

O treino fartlek neste período é bastante usado para variar intensidades, terrenos e inclinações, assim, promovendo ganhos cardiovasculares e força muscular específica

  • Treinos de subidas

Na maioria dos casos, o treino em subidas na base é bastante usado para ganho de força específica, podendo trabalhar com variações de amplitude de passada, técnica, corrida de frente e/ou de costas, além de exercícios em deslocamento

  • Treinos em terrenos variados

A variação de terreno (terra e areia) promove ganhos na questão da força específica. O tempo de contato, os ângulos de joelho e quadril e a instabilidade aumentam, assim, a musculatura precisa trabalhar bem mais

  • Treinos em circuito

Ainda pensando em trabalho de força, os circuito entram como um treino concorrente, podendo trabalhar com mais ou menos repetições, dependendo do objetivo

  • Foco em eeducativoducativos

O uso de educativos nesta fase é bem acentuado, como os treinos estão mais leves, é possível focar na técnica e corrigir possíveis erros preparando para o próximo período. Os educativos mais utilizados neste início são: skipping, anfersen e dribbling (e variações)

Conseguindo trabalhar de forma adequada todos estes pontos, pode ficar tranquilo que você estará preparado para entrar na próxima fase de treinamento, a Preparação Específica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: