Treinamento em subidas e descidas

Por André de Lima e Lucas Salia

O treinamento de corrida realizado com variações de altimetria (subidas e descidas) oferece inúmeros benefícios ao atleta como: treino de força, potência e resistência muscular específica para a corrida, aprimoramento do sistema cardiorespiratório e coordenação do gesto técnico da corrida em inclinações.

Durante os treinos de subida o grande esforço é gerado para vencer a gravidade, precisamos subir e para isso alguns aspectos da corrida mudam.

Primeiro aspecto que temos ao subir é a diminuição da economia de corrida, ao subir, ficamos mais tempo com o pé em contato com o solo, isso faz com que perdemos muita economia de corrida. Não se assuste com isso achando que sua técnica está ruim, essa é uma adaptação normal.

Outro fator importante é que precisamos subir mais a perna, flexionar mais o quadril e joelho, e em seguida entender tudo de volta para subir, de forma que ao pisar no chão parece que estamos fazendo o exercício de afundo em velocidade, o que também vai afetar a economia de corrida.

Fechando estas mudanças no padrão de corrida temos o apoio apenas do ante pé, o que acarreta uma carga maior sobre a musculatura da panturrilha, e quanto maior a velocidade maior é essa carga.

Somando estres três fatores já vemos que o treino de subida pode nos fornecer ganhos devido ao aumento de carga e perda de economia, tornando um treino específico da corrida para ganho das capacidades de força, resistência e potência.

Já nos treinos de descidas, a grande preocupação se volta para as articulações, ligamento e ossos que estarão expostos aos impactos das passadas. O primeiro passo para se treinar em descidas é a musculatura estar bem forte para a aguentar o tranco.

De forma geral, todo impacto gerado na descida devido a velocidade e o aumento da carga interna gerada pela menor flexão das articulações dos joelhos e quadril, é absorvido de primeiro momento pelos músculos, o que sobressai o quanto o musculo consegue absorver vai para as demais estruturas como articulações, tendões e ossos.

O atelta estando devidamente fortalecido é importante focar em outro aspecto, o técnico, descer não é só descer, o gesto coordenado com passadas mais largas e rápido contato com o solo, tornará sua descida muito mais rápida, econômica e eficiente.

Além dos fatores supracitados, também precisamos pensar no aspecto psicológico do atleta. Quem nunca se deparou com uma baita subida numa prova e pensou, será que consigo? Dessa forma, uma periodização que contemple estes tipos de treino, fortalece não só o físico quanto o mental. Deixando o atleta apto para enfrentar as inclinações durante uma competição, sem perda de rendimento.

Por todos estes detalhes, ao incluir os treinos em subidas e descidas em sua rotina, procure sempre a orientação de um profissional de Educação Física. Porque as alterações das carga e dinâmica da corrida sempre serão um fator de risco para o surgimento de lesões.

Marcado com , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: